Qual o impacto das guerras e da pobreza nas famílias? PDF Imprimir E-mail

Um dos desafios pastorais citados no Instrumento de Trabalho preparado para o Sínodo Extraordinário sobre a Família, marcado para outubro, é o impacto das guerras sobre a famíliaEm regiões da África e do Oriente Médio, conflitos causam mortes violentas, a destruição das habitações, a necessidade de fugir abandonando tudo para se refugiar noutras partes. O parágrafo 77 cita o efeito de desagregação social causado pela guerra, que por vezes inclui o abandono da própria comunidade cristã e da fé, sobretudo por parte de inteiras famílias em situações de pobreza.

"A ameaça à família na nossa região é muito mais real agora do que antes", diz o comunicado final da XVIII Assembleia Plenária da AMECEA (Associação dos Membros das Conferências Episcopais da África Oriental), realizada recentemente na capital do Malawi, Lilongwe.

"A crise do matrimônio e da família é agravada pelo individualismo da sociedade contemporânea, o colapso dos valores morais, o ataque à unidade da família, a pobreza e o desemprego", escrevem os 250 Bispos da África Oriental. "Enquanto Igreja na região, nos esforçamos em oferecer cuidados pastorais às famílias desagregadas e a todos aqueles que se encontram em dificuldades nas suas famílias, afirma o documento. A Assembleia elegeu a Dom Berhaneyesus Demerew Souraphiel, Arcebispo de Addis Abeba (Etiópia), como presidente AMECEA.

Para ouvir a reportagem, com o detalhe na situação de Angola e São Tomé, clique no link: http://media01.radiovaticana.va/audiomp3/00441184.MP3