Semana da Família, de 10 a 16 de agosto PDF Imprimir E-mail

O Santo Padre Francisco mandou uma mensagem aos bispos que estão em cada país da América Latina animando a Pastoral Familiar. Nesta mensagem o Santo Padre Francisco faz a pergunta: "O que é a família?".

Para além de seus prementes problemas e de suas necessidades urgentes, a família é um CENTRO DE AMOR, onde reina a lei do respeito e da comunhão, capaz de resistir aos ataques da manipulação e da dominação dos centros de poderes mundanos.

Na casa familiar, a pessoa se integra natural e harmonicamente em um grupo humano, superando a falsa oposição entre indivíduo e sociedade. No seio da família, ninguém é descartado tanto o idoso como a criança são bem vindas. A cultura do encontro e do diálogo, a abertura à solidariedade e à transcendência tem nela o seu berço. Por isso a família constitui uma grande riqueza social.

O Papa está destacando duas contribuições primordiais: a estabilidade e a fecundidade. As relações baseadas no amor fiel, até a morte, como o matrimônio, a paternidade, a filiação ou a irmandade, aprendem-se e vivem-se no núcleo familiar

Quando estas relações formam o tecido básico de uma sociedade humana, dão-lhe coesão e consistência. Pois não é possível formar parte de um povo, sentir-se próximo, ter em conta os mais distantes e desfavorecidos, se no coração do homem estão quebradas estas relações básicas, que lhes oferecem segurança em sua abertura aos demais.

O amor familiar é fecundo, e não somente porque gera novas vidas, mas porque amplia o horizonte da existência, gera um mundo novo, faz nos acreditar, contra toda descrença e derrotismo que uma convivência baseada no respeito e na confiança é possível. Frente a uma visão materialista do mundo, a família não reduz o homem ao estéril utilitarismo, mas dá canal aos seus desejos mais profundos.

Por fim o Papa Francisco lembra que na experiência fundante do amor familiar, o homem cresce também em sua abertura a Deus como Pai. E aí continua dizendo: que a família não deva ser considerada só como objeto de evangelização, mas também agente evangelizadora.

Por fim o Papa lembra que o amor familiar precisa crescer e ser cultivado para que este crescimento possa acontecer: 

São três palavras que devem nortear a convivência família: pedir licença, agradecer e dizer muito obrigado e por fim pedir perdão. Neste tripé o relacionamento familiar vai crescer. Não somente os filhos estão crescendo na família. Também o casal deve crescer na sua convivência. 

Cada dia que passa precisam se querer mais bem e se sentir mais feliz um ao lado do outro. Assim a vida familiar vai ser cada vez mais um dar e um receber.

A vida familiar está se construindo no dia a dia, nos pequenos gestos de atenção quando estamos pedindo licença, quando sabemos agradecer e quando sabemos pedir perdão.

O amor que temos por uma pessoa se mede na capacidade de perdoar.